Capítulo 29

CAPÍTULO 29

Só mais um!

Nora, fugindo, se pergunta “Se eu fosse o Jules, onde eu esconderia uma garota que eu raptei? ….Oh! Na sala da revista da escola! OF COURSE!”. Nora entra na sala e encontra Vee,

– Sou eu – disse, dando cada passo cuidadosamente enquanto driblava o labirinto de mesas, evitando derrubar uma cadeira e alertar Jules quanto a minha localização.

Odeio ser o portador de más notícias, mas o local em que sua refém se encontra seria o primeiro lugar em que ele iria lhe procurar. Se bem que Chansey é meio imbecilzinho, então… é.

Reunião amigável, blá, as duas resolvem fugir. Mas Chansey trancou todas as saídas exceto aquela pela qual a Nora entrou (por um motivo imbecil, não quero comentá-lo), então Nora resolve que vão fugir por uma janela muito, muito longe de onde estão. Algumas escadas depois, as duas são surpreendidas por Chansey; Nora manda sua amiga fugir e chamar a polícia, enquanto ela ficará para ganhar tempo e porque ela é a presa e blah.

Vee soltou minha mão. Seus passos emudeceram depressivamente rápido.

Você… está infeliz por ela ter corrido rápido?

Chansey lembra que a polícia leva uns 20 minutos pra chegar, e matar uma anta leva bem menos tempo. Nora então foge em direção ao ginásio, onde pretendia se esconder em um dos muitos armários do vestiário feminino (…se ela espera que isso o segure por 20 minutos, devem ser MUITOS armários mesmo). Infelizmente as portas estão trancadas, e ela logo se vê presa no ginásio com o sanguinário Chansey.

Ele amarrou sua camisa em volta de sua coxa. Uma mancha de sangue se revelava através do tecido. Ele havia ficado com uma camisa branca que estava por baixo e calças sociais. Uma arma estava posicionada na cintura de suas calças.

1) Eu honestamente acho que este é o pior momento possível para analisar como Chansey está vestido; público-alvo be damned.
2) Ele tinha uma ARMA?! E não usou?! Sei que ele quer matar a Nora na frente do Patch (por mais que capítulos anteriores contrariem isso), mas isso é ridículo.

Nora avista Patch atrás de Chansey (não, não desse jeito), e resolve distrair Chansey com perguntas. Ela pergunta se Chansey atacou Marcie Millar; sim, ele atacou, porque aparentemente ela causava sofrimento para Nora, e só Chansey pode causar sofrimento para Nora…

…me pergunto se Dabria também sofreu alguma coisa.

Mas chega de conversa; Chansey pega Nora pelo braço (PONTO FRACO FEMININO!) e a curva para ficar de costas para ele (e, portanto, de frente para Patch), aparentemente já sabendo que o ex-ex-anjo estava lá. Ele aponta sua arma para ela. Aqui temos a situação tão irritante de vilões clichê:

Vilão: “NEM MAIS UM PASSO OU EXPLODO OS MIOLOS DESTA GAROTA!!”
Herói: *dá um passo*
Vilão: “EU TÔ AVISANDO!”
Herói: *mais um passo*
Vilão: “FALO SÉRIO, NEM MAIS UM PASSO!”

ATIRA LOGO NELA, SEU MONGOL!

A solução que Patch encontra é possuir o corpo de Nora e usá-lo para desarmar Chansey e fazê-lo desmaiar via estrangulamento (isso contraria o lance “só pode possuir pessoas no Cheshvan”, mas Patch nos explica convenientemente que, fora do Cheshvan, ele pode possuir um corpo de um descendente por alguns segundos, mas aí fica desmaiado depois. O que torna este plano ainda mais engenhoso). Patch manda Nora fugir assim que ele terminar o enforcamento.

Um zunido alto soou em mim, e senti meu corpo se separando do de Patch.

Você fala como se o corpo dele estivesse dentro do seu…

…*risadinhas imaturas*

Enfim, a possessão acaba, mas o perigo não. Chansey não desmaiou. Nora corre para a porta, mas Chansey usa MIND GAYMES para fazê-la pensar que a porta está trancada. Nora tenta chamar por ajuda, mas é uma idéia imbecil. Ela tenta “vasculhar sua mente atrás de Chansey e expulsá-lo” (porque aparentemente ela sabe fazer isso?), mas também não consegue. Nora avista uma escada de ferro que, indiretamente, dá acesso a um tubo de ventilação; Nora planeja subí-la, entrar nele e achar outra saída (apesar de que na vida real tubos de ventilação são pequenos demais para pessoas entrarem, especialmente uma garota de 16 anos).

Nora consegue correr e começa a subir, mas Chansey joga mais MIND GAYMES para fazê-la pensar que a escada está caindo. Isso é seguido pelo que é provavelmente a descrição mais Purple Prose-ica de alguém caindo de uma escada da história da literatura. Mas Patch faz contato mental com Nora e convence-a de que é apenas uma ilusão (ele… não podia ter feito isso mais cedo, quando ela tentou fugir do ginásio?).

Ela alcança o topo, mas Chansey está em sua cola! Ela toma um momento para notar a marca de nascença que tem em comum com ele (prioridades). Chansey a alcança.

Eu olhei para baixo, apesar de me deixar tonta. Patch estava bem mais abaixo, no chão do ginásio, rígido como se estivesse morto. Naquele exato momento, queria voltar no tempo e reviver todos os meus momentos com ele. Mais um sorriso secreto, mais uma risada compartilhada. Mais um beijo elétrico. Encontrá-lo foi como encontrar alguém que eu nem sabia que estava procurando. Ele entrou na minha vida tarde demais, e agora estava partindo cedo demais. Lembrei de quando ele disse que desistiria de tudo por mim. Ele já o havia feito. Ele desistiu de um corpo humano próprio para que eu pudesse viver.

Eu acho esse parágrafo bem hilário. Tipo, sinto que a autora planejou ele antes de escrever todo o resto do livro; e é por isso que ele parece tão out-of-place pra mim. Ela lembra de tantos momentos bons… erm, eu não. Admitidamente, HÁ uns momentos entre eles que foram cuttie-cutter e alegres; mas eles são minoria. Na maior parte do tempo Patch agia como um bad boy dos anos 70 e Nora agia como uma tsundere genérica. E quando foi que eles “compartilharam risadas”? Não lembro disso. Tipo, at all.

Enfim, Nora explica sua condição de descendente de Chansey e sobre como ele morreria se ela sacrificasse “seu sangue” (Fitzpatrick, não foi isso que você disse mais cedo); e Patch viraria humano. Chansey tenta sacar a arma (porque aparentemente se ela não se sacrificar, ele não morre…? Então por que o Patch tentou matar ela antes? Argh, minha cabeça), mas não consegue a tempo; Nora se joga do topo do ginásio para o chão duro.

Daí ela morre e o livro acaba.

Até parece. Nos vemos no cap. 30, onde este troço ENFIM terminará.

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: